civilização

Grande Colisor Europeu de Hádrons

Grande Colisor Europeu de Hádrons (imagem 1)

Total de imagens: 9   [ Visão ]

Grande colisor hádron para física de partículas cientistas explorar novas partículas, e um dispositivo de quantificao partículas microscópicas, um aparelho de acelerador de protões colidir física de alta energia. O European Large Hadron Collider é o maior e mais energético acelerador de partículas do mundo, com 7.000 cientistas e engenheiros de cerca de 80 países. Construído por 40 países. É um dispositivo físico de alta energia que acelera a colisão de prótons. É um acelerador circular, a 100 metros de profundidade no solo, que fica a 27 km longo túnel anel, localizado no CERN, em Genebra, Suíça (também conhecido como o laboratório europeu de física de partículas), em toda a França e Suíça Fronteira. Em 10 de setembro de 2008, o colisor foi lançado pela primeira vez para testes.

Para poupar custos, os físicos não ter cortado um novo túnel caro para acomodar o novo colisor, mas decidiu derrubar a colocação original acelerador de elétrons-pósitrons no Centro Europeu de Pesquisa Nuclear, substituído pela construção do Grande Colisor de Hádrons As 50.000 toneladas de equipamentos necessários para a máquina. Quando dois feixes de prótons se movem na direção oposta no túnel circular, o poderoso campo elétrico faz com que sua energia aumente drasticamente. Cada vez que essas partículas correm, elas ganham mais energia. Para manter esse feixe de prótons de alta energia, é necessário um campo magnético muito poderoso. Um campo magnético tão forte é produzido por um ímã supercondutor resfriado até quase zero absoluto. O que os físicos mais querem construir é uma máquina de 30 quilômetros de extensão que esmaga elétrons e pósitrons com pelo menos 500 bilhões de elétron-volts.

08 de novembro de 2010, os cientistas começaram a usar a fabricação Hadron Collider suíça e francesa europeia de fronteiras Grande de pequena "big bang" para simular o momento do universo formado cerca de 140 milhões de anos atrás. Esta é a primeira vez que a máquina usa íons de chumbo para colisões e os prótons têm sido usados ​​em experimentos anteriores. Os íons de chumbo e prótons são coletivamente referidos como "hadrons", mas os primeiros são maiores e mais pesados ​​que os últimos. Dentro de uma órbita circular de aproximadamente 27 quilômetros de comprimento, os dois pacotes de íons de chumbo viajam em direções opostas, e cada vez que eles correm, eles ganham mais energia e velocidade. A alta temperatura gerada pela colisão é equivalente a 100.000 vezes a temperatura do núcleo solar, ou seja, 10 trilhões de graus. Acredita-se que esta temperatura é a temperatura dentro de alguns milionésimos de segundo depois que o Big Bang nasceu 13,7 bilhões de anos atrás. A esta temperatura será produzido um "plasma de quarks e glúons". A teoria da física existente sustenta que dentro de alguns milionésimos de segundo após o nascimento do universo, houve uma substância chamada "plasma de quarks-glúons" no universo. Os cientistas esperam resolver o mistério da formação do universo através do mini-experimento "Big Bang".

Em 2010, cientistas envolvidos no projeto Large Hadron Collider (LHC) disseram que podem estar próximos do bóson de Higgs. O bóson de Higgs é também conhecido como a "partícula de Deus" e é dito que desempenha um papel importante na formação do universo após o Big Bang. 05 de abril de 2015, após cerca de dois anos para baixo para manutenção e upgrades, o Large Hadron Collider Europeia para reiniciar, abriu oficialmente a segunda fase da operação, há esperança de descoberta da partícula de Higgs juntamente partículas supersimétricas. O LHC pode dar um grande passo na ciência e tecnologia humanas. Por exemplo, a formação e síntese de antimatéria se tornarão possíveis. Encontrar a antimatéria e seus métodos sintéticos possibilitará a solução de nossa crise energética e se tornará o combustível de escolha para viagens espaciais e viagens interestelares. A antimatéria tem um poder incrível, apenas uma pequena quantidade de antimatéria, e sua energia com aniquilação de material pode ser comparada a milhões de toneladas de bombas nucleares.

Próximo conjunto: Voyager 1 Space Detector